• tera, 16 de abril de 2024
  • Alguma nebulosidade - Atualizado: 02:42 - 16/04/2024 22°
www.feedis.com.br

Mastite: enfermidade afeta a produção de leite e prejudica o bem-estar dos animais

A mastite é uma inflamação da glândula mamária, geralmente associada a uma infecção por micro-organismos, que pode comprometer a produção de leite e o bem-estar dos animais, causando prejuízos econômicos aos produtores.

"Os sinais clínicos comuns incluem lesões, sensibilidade ao toque, dor e aumento da temperatura do local acometido, devido à inflamação. Além disso, algumas características do leite podem sofrer alterações como coloração anormal, presença de coágulos e grumos", explica Monique Hoffmann, médica-veterinária e coordenadora da linha de grandes animais da Syntec do Brasil.

Monique esclarece que existem dois tipos de mastite: a mastite subclínica, quando não há alterações no leite e nem sinais de inflamação nos tetos, sendo possível diagnosticar a doença somente por meio de testes à campo ou laboratoriais. E mastite clínica, quando os sinais clínicos da doença são expressos no leite e no animal tornando-se mais fácil o diagnóstico da afecção. No Brasil, vacas que são diagnosticadas com mastite subclínica produzem em média 25% a 42% menos leite do que vacas saudáveis, segundo estudo da Embrapa.

De acordo com a médica-veterinária, a mastite quando se torna crônica, em casos mais graves pode levar a necrose e a perda do teto. O tratamento das mastites crônicas torna-se complicado e com baixa taxa de sucesso, consequentemente, o animal torna-se não apto para a atividade leiteira, prejudicando a longevidade produtiva das vacas acometidas. Outra grande preocupação é a alta incidência em vacas altamente produtivas, trazendo ainda mais prejuízos para o produtor. Monique explica que esse problema pode ser minimizado com ações preventivas, diagnóstico precoce e manejo eficaz.

“Esse tipo de atenção é essencial para garantir a sustentabilidade e a rentabilidade da produção de leite."

Publicidade