• tera, 16 de abril de 2024
  • Alguma nebulosidade - Atualizado: 02:42 - 16/04/2024 22°
www.feedis.com.br

Os cuidados da pecuária no período das chuvas

O período das chuvas está chegando com força, devendo atingir o pico nos próximos meses. Com isso, os pastos ficam mais verdes, o gado ganha mais peso e os pecuaristas contabilizam mais arrobas. “O momento seria ideal não fossem os parasitas, que têm no período mais quente do ano – que também é extremamente úmido – as melhores condições para se disseminar pelo rebanho”, explica o médico veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos para Animais de Produção da Pearson Saúde Animal.

É o momento de ficar ainda mais atentos à presença de carrapatos, mosca-dos-chifres, bernes e demais parasitas. Sua presença está diretamente associada aos índices pluviométricos e aos níveis de umidade  e calor.

Carrapatos e bernes estão entre os mais temíveis inimigos da saúde dos bovinos nesse período do ano. Além de prejudicar o ganho de peso, comprometem o couro. “Quando os animais têm de 20 a 40 bernes, a perda de peso fica entre 9% e 14%. Já no couro, de 10 a 20 perfurações nas áreas mais nobres são responsáveis pela redução de 30% a 40% do valor comercial”, exemplifica o especialista da Pearson.

O carrapato merece atenção especial porque carrega o status de mais importante ectoparasita de bovinos do país, devido aos enormes prejuízos financeiros que provoca – estimados em R$ 15 bilhões ao ano. Vechiato ressalta que ao contrário do berne e da mosca-dos-chifres, por exemplo, o carrapato não é sempre visível. “Cerca de 95% da população está no ambiente em forma de ovos ou larvas de pulgas. Dessa forma, a atenção tem de ser dobrada: no pasto e nos animais”, diz.

A incidência da mosca-dos-chifres também aumenta explosivamente no verão, sendo quatro vezes maior em relação ao período seco. Sua presença tem impacto direto no bolso dos produtores e ocorre em todas as regiões do país, tanto nos rebanhos de corte quanto nos de leite. “Segundo a Embrapa de Gado de Corte, vacas com 120 insetos têm fertilidade reduzida em 5%; se a população sobe para 300 moscas, são menos 100 gramas de ganho de peso por dia”, informa Thales Vechiato. “Em casos críticos, a presença de 500 moscas representa perda anual de aproximadamente 2,5 litros de sangue. São 40 kg a menos de peso vivo! No caso da pecuária leiteira, a redução é de 5 a 15% na produção de leite. Em um cenário de preços voláteis, qualquer perda é expressiva”.

O controle de parasitas está diretamente relacionado à utilização de eficientes produtos para saúde animal, especialmente os que têm ação carrapaticida, mosquicida, bernicida e vermicida, simultaneamente. “Este são os mais indicados porque atuam de forma mais eficaz e assertiva, reduzindo o tempo de aplicação e facilitando o manejo. Com fluazuron associado à abamectina, Proatac, da Pearson Saúde Animal, é a multissolução ideal para o necessário controle estratégico. Em caso de infestação, a recomendação é a aplicação de produtos com clorpirifós, cipermetrina, butóxido de piperonila e geraniol, repelentes de alta eficácia, presentes em Bovecto Pour On”, sugere Thales Vechiato.

Fonte: AI

Publicidade