• sbado, 13 de abril de 2024
  • Muitas nuvens - Atualizado: 09:16 - 13/04/2024 20°
www.feedis.com.br

Protocolo indica estratégias para diminuir a idade de reprodução e otimizar a taxa de prenhez em fêmeas comerciais e de seleção

Íntegra do Protocolo da Embrapa já está disponível para consulta; Desenvolvimento do material contou com apoio da Connan

Com o objetivo de possibilitar o aumento da taxa de prenhez em fêmeas bovinas da raça Nelore, de rebanhos comerciais e de seleção, com idade entre 12 e 16 meses de idade, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) – Gado de Corte, em Campo Grande (MS), elaborou o Protocolo Embrapa + Precoce P14, com a participação da Connan, uma das principais indústrias de nutrição animal do Brasil.

Considerado um protótipo de processo produtivo, a publicação foi validada por pesquisadores para ser utilizada por técnicos, consultores e produtores rurais dedicados à atividade de cria. Apesar de ter sido desenvolvido para a raça Nelore, o Protocolo pode ser adaptado para outras raças, no futuro. 

O Protocolo oferece algumas orientações das boas práticas de reprodução, melhoramento genético e saúde animal, além de nutrição para a eficiência reprodutiva. De acordo com o material, os sistemas de produção que não propiciam um bom desenvolvimento ponderal da fêmea bovina do nascimento à puberdade, têm pouco sucesso em produzir prenhez precoce, em idade entre 12 e 16 meses.

Adicionalmente, falhas no manejo reprodutivo e nutricional, mesmo com uso de protocolos de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), aumentam o custo de produção, sem que haja incrementos na porcentagem de fêmeas prenhes.

“Um bom manejo nutricional, a partir de um bom planejamento, é essencial para manter o bom desempenho dos animais”, afirma a médica-veterinária e coordenadora de Produtos da Connan, Júlia Marques.

Manejo alimentar até a primeira estação reprodutiva

As recomendações de manejo alimentar apresentadas no Protocolo da Embrapa levam em consideração o período entre a desmama e a primeira estação reprodutiva, sendo o peso corporal alvo mínimo de 260 quilos no início da estação reprodutiva.

Neste quesito, a publicação indica que a intensidade do manejo alimentar irá variar de acordo com a necessidade de ganho de peso neste período, devendo ser mais intensiva à medida que maior peso deve ser ganho. O manejo alimentar considera dois principais componentes: a pastagem e a suplementação alimentar.

Na explicação de Júlia, o Protocolo indica que a suplementação alimentar deverá ser maior quanto menor for a qualidade das pastagens e menor o peso corporal à desmama. E, em fazendas com histórico de peso à desmama abaixo do recomendado, o uso de creep-feeding para as bezerras, na fase de aleitamento, também pode ser indicado.

Ainda no Protocolo, existe a indicação de qual tipo de suplemento (mineral-proteico-energético ou mineral-proteico) para cada GMD esperado e consumo por dia.

Resultados do Protocolo

Entre 2020 e 2023, os pesquisadores avaliaram dois rebanhos da raça Nelore nas dependências da Embrapa Gado de Corte, sendo um composto por animais puro por origem (Nelore PO) e outro sem registro por associação de raça. As fêmeas foram submetidas a duas inseminações, sem repasse com touro.

Após passarem por todo o Protocolo Embrapa + Precoce P14 - nutrição, reprodução, genética e sanidade - as taxas de prenhez finais variaram de 51,6% a 65,8% ao final da estação reprodutiva, ou seja, dentro das metas propostas pelo novo protocolo.

Dando continuidade aos testes, o P14 foi levado a fazendas comerciais em Mato Grosso do Sul, produtoras de animais com Certificado Especial de Identificação e Produção (CEIP). Entre os resultados obtidos, destacou-se o peso à desmama de bezerros machos e fêmeas, filhos de primíparas, nas categorias precoce e convencional. Com 210 dias, tiveram peso à desmama de 163,6 kg e 173,1 kg, fêmeas e machos, respectivamente. Enquanto os das primíparas convencionais foram de 159,9 kg e 172,1 kg.

As taxas de prenhez e perdas gestacionais foram acompanhadas em quatro estações de monta consecutivas em duas propriedades rurais. Os estudos constataram que a média de prenhez nas duas IATFs foi superior a 40%, com resultado de 58,1%. As perdas foram, ao redor, de 7,6%.

“Para nós, da Connan, foi um privilégio poder participar, de alguma forma, com a elaboração deste Protocolo junto a uma entidade de pesquisa tão importante e renomada no cenário do agronegócio nacional”, comenta a coordenadora.

A íntegra do material elaborado pela Embrapa já está disponível e os interessados podem acessar o link: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/doc/1156570/1/Protocolo-Embrapa-Precoce-14-2023.pdf.


Sobre a Connan

Com sede em Boituva (SP) e filial em Campo Verde (MT), a Connan – Geração de Resultados iniciou suas atividades em 2004 e tem como principais acionistas os engenheiros agrônomos Fernando Penteado Cardoso Filho e Eduardo Penteado Cardoso, membros da família fundadora da empresa MANAH, do famoso slogan “Com MANAH adubando dá”, criado pelo patriarca Dr. Fernando Penteado Cardoso. Os dois irmãos, e sócios, também são detentores da patente Nelore Lemgruber, desenvolvendo e expandindo a genética na Fazenda Mundo Novo, localizada em Uberaba (MG).

Com mais de 150 representantes comerciais, a Connan é a única empresa nacional a produzir o próprio fosfato bicálcico e possuir a tecnologia Aglomerax, o que lhe confere grande diferencial competitivo e garantia de qualidade dos produtos.

Mais informações: http://www.connan.com.br.

Publicidade